Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Ilhas de compostagem podem resolver o problema do lixo em Nova Iorque

Mäyjo, 16.12.14

ilha_2

Todos os anos, os nova-iorquinos produzem mais de 14 milhões de toneladas de lixo, dos quais 29% são apropriados para compostagem. De forma a melhorar a gestão de resíduos da cidade, uma empresa revelou um projecto que quer desviar esta percentagem para longe de aterros e enviá-los para “ilhas de compostagem” na cidade, diz o Huffington Post.

A empresa Present Architecture surgiu com um plano para transformar os resíduos apropriados para compostagem ​​ em ilhas multiuso ao redor de cada um dos cinco distritos de Nova Iorque. O projecto, denominado Green Loop, teria camiões de transporte de lixo orgânico a transportar os resíduos para dez estações de compostagem na costa da cidade.

O projecto poderia ajudar a reduzir a poluição, além de fornecer novos espaços públicos – o espaço por cima das instalações seria usado para parques recreativos – e também resolver o problema do cheiro.

As instalações teriam estradas com ligação à cidade onde se iriam canalizar os camiões para dentro e fora das ilhas de forma a descarregarem o lixo orgânico que, através de um processo de compostagem, iria produzir um solo rico em nutrientes.

Por enquanto, o Green Loop ainda está longe de se tornar uma realidade. A próxima etapa do projecto consiste em saber se o público tem interesse no Green Loop se o projecto é viável em termos de financiamento e apoio governamental.

Biocombustíveis a partir de resíduos têm potencial por explorar em Portugal Quercus – Assoc. Nac. de Conservação da Natureza

Mäyjo, 16.12.14

O estudo ‘Wasted: Europe’s Untapped Resource’, divulgado na semana passada por várias organizações de defesa do ambiente (entre as quais a Federação Europeia dos Transportes e Ambiente, da qual a Quercus é membro), mostra que a Europa tem um potencial ainda por explorar para a produção de biocombustíveis de segunda geração, a partir da conversão de resíduos da agricultura, silvicultura e algumas indústrias.

Portugal e outros Estados Membros não podem desperdiçar este potencial com vantagens económicas e ambientais, numa altura em que os Estados Membros discutem ao nível do Conselho Europeu novas metas climáticas para 2030.

Este estudo, elaborado pelo ICCT (Internacional Council for Clean Transportation), com o contributo de vários institutos de investigação e o apoio de empresas inovadoras desta tecnologia e associações de defesa do ambiente, aponta que a conversão de resíduos agrícolas, florestais, urbanos e de algumas indústrias em biocombustíveis de segunda geração para o setor dos transportes poderia evitar a importação de 37 milhões de toneladas de petróleo por ano até 2030, o equivalente a 16 por cento da procura de combustíveis rodoviários em 2030.

Em vários países europeus - incluindo Portugal -  já existem recursos e tecnologias de conversão disponíveis, mas o desafio está na criação de um quadro político europeu que acelere o investimento nestes biocombustíveis. Para aproveitar todo o potencial destes resíduos, a evolução tecnológica poderia ajudar à criação de pelo menos 300 mil empregos diretos até 2030 em toda a Europa (excluindo os empregos indiretos), sobretudo na recolha e conversão de resíduos agrícolas e florestais.

Os biocombustíveis produzidos a partir destes resíduos podem ainda fornecer uma alternativa para o declínio das reservas de combustíveis fósseis e para a redução significativa das emissões de GEE no setor dos transportes, o qual segundo as previsões será a principal fonte de emissão de GEE em 2030 na Europa. Se todo o potencial destes resíduos de biomassa fosse aproveitado, as economias rurais poderiam beneficiar de uma fonte adicional de receitas de até 15 mil milhões de Euros.

A produção de biocombustíveis a partir de resíduos e outros materiais pode ser competitiva relativamente à produção agrícola convencional, apesar de em alguns países a disponibilidade de matérias-primas ser limitada. Portugal é um dos países europeus com maiores vantagens, quer pela diversidade e quer pela disponibilidade de matérias primas, como por exemplo biogás a partir de resíduos urbanos, biodiesel a partir de óleos alimentares usados, bioetanol a partir de resíduos de biomassa como resultado de cortes de matas e florestas, resíduos agrícolas (produção de alfarroba, azeitona) e ainda culturas energéticas (como o cardo).

A produção de biocombustíveis de segunda geração poderia evitar a emissão de GEE, entre 60 e 85 por cento na maioria dos casos, num contributo importante para o cumprimento das metas climáticas europeias. No entanto, é necessário definir critérios de sustentabilidade para estes biocombustíveis de segunda geração para a manutenção do balanço de carbono (como a gestão dos solos, conservação da biodiversidade, proteção dos recursos hídricos).

Mafalda Sousa, da Quercus, salienta que “num momento em que estão a ser discutidas as metas de redução das emissões de GEE até 2030 entre os Estados-Membros ao nível do Conselho Europeu, este estudo traz um forte argumento de que é necessário rever a política de biocombustíveis até 2020, tendo em conta os impactes associados à produção agrícola de biocombustíveis (como as alterações de uso do solo). Para o horizonte 2030, é fundamental que os Estados Membros apoiem a continuidade da meta para a redução das emissões de GEE nos transportes, e promovam o incentivo e investimento em combustíveis mais limpos (como biocombustíveis produzidos a partir de resíduos e outros materiais), cujo potencial está ainda por explorar.”